Mariana, Maria, Mafalda – A Mafalda

Reparei, sentada no espaço da Mariana (de quem vos falei anteontem aqui) e enquanto apreciava o quanto é extraordinária, que a minha vida tem muito mais M’s do que aqueles com quem vivo. M’s no feminino. Todas me trazem nada mais do que bem-estar e felicidade e não são as mulheres mais evidentes – mãe, irmãs, amigas – que nos vêem à cabeça quando pensamos nisso. Não sei se elas o saberão e, como tal, nesta semana que antecede o Natal, quero agradecer-lhes. Termino este set de histórias com a da Mafalda.

A Mafalda

A Mafalda foi um vendaval na minha vida. Este ano, com 33 anos, finalmente percebi-me, compreendi-me, perdoei-me, sarei as feridas que tinha comigo, segui em frente. A Mafalda ajudou-me a fazê-lo.

Não é preciso conhecer-me há muito tempo para já me ter visto com qualquer peso entre os 60kg e os 86kg. A facilidade com que ganho e perco peso, para o bem e para o mal, sempre me acompanhou. Os meus problemas de imagem e auto-estima, claro está, também. Sempre fui estupidamente bem sucedida com qualquer dieta com que me comprometesse e estupidamente mal sucedida a manter os estrondosos resultados que sempre consegui atingir.

Certo dia o facebook sugeriu-me a Mafalda e eu comecei a segui-la. Muitos de vós provavelmente conhecê-la-ão pelo seu trabalho como actriz em Portugal e com o nome Mafalda Pinto. Hoje a Mafalda adoptou o nome de casada, Rodiles, vive no Rio de Janeiro (que inveja!), é mamã da Mel e, agora, do recém-nascido Martim (também ela vive rodeada de M’s bons) e assumiu publicamente que não é mais actriz. O seu trabalho a tempo inteiro hoje é, justamente, ajudar mulheres como eu, a reencontrarem-se.

Depois de um pequeno workshop online resolvi dar um beijinho sentido ao meu dinheiro e dizer-lhe adeus. Comprei o curso dela ‘Seja feliz sem dietas’. Aqui para nós, e como ela já partilhou algumas vezes com as suas alunas, o curso deveria apenas chamar-se ‘Seja Feliz’. Comprei o curso a pensar que ia aprender sobre mudanças de hábitos alimentares, truques para alcançar o peso pretendido e rotinas para mantê-lo.

Foi tão mais. A Mafalda dá-se ao trabalho de conhecer profundamente cada uma das suas alunas, entender todo o seu background e curar a sua relação com a comida exactamente onde ela começou a correr mal. Exactamente onde começámos a castigar-nos, comendo, a compensar-nos, comendo, a distrair-nos, comendo, a descarregar os males da vida, comendo.

Aprendemos que, por muito que alcancemos aquele nosso ideal de corpo perfeito, nunca estaremos satisfeitos com ele porque o peso nunca foi o problema. Aprendemos a identificar os problemas e a resolvê-los lidando com eles da forma que eles devem ser tratados, em vez de os tapar com comida só para suportar mais um dia.

Acabo o ano uma pessoa muito diferente daquela que o iniciou. Não estou (ainda) no meu peso ideal. Continuo a esforçar-me para o alcançar, mas aprendi a respeitar o ritmo do meu corpo e a arte tão simples de comer quando tenho fome e parar quando estou satisfeita, algures perdida (por mim e por tantas outra mulheres) enquanto cresci.

O curso acabou há meses, mas ainda nos falamos. Gosto de saber dela e ela de mim. Trocamos ideias sobre muitas coisas e o pontapé de saída para o Entre M’s foi também uma das nossas conversas. Apesar de já lhe ter dito muitas vezes o quanto a minha postura perante a vida mudou por causa dela, não podia deixar que este ano terminasse sem assinalar devidamente esse facto.

Mafalda, o teu trabalho muda vidas. Mudou a minha. Sou (final e genuinamente) feliz comigo. Obrigada.

(se quiserem saber mais sobre o programa ‘Seja feliz sem dietas’ podem encontrar toda a informação no site ou entrar em contacto com a Mafalda pelo facebook).