‘Está tudo bem, mamã’ – Nem tudo é o que parece

Spread the love
Aqui também estava concentrado. Numa roda de cães de loiça.

Já tive ocasião de descrever como as nossas manhãs podem ser, hum… Chamemos-lhes ‘complexas’.

Também já mencionei a tradicional falta de pressa do Martim para o que quer que seja. Não é que ele seja preguiçoso, não é nada disso. Ele é apenas extremamente curioso e capaz de ver um interesse fora do normal em coisas como uma pele levantada junto a uma das suas unhas, um buraco na calçada perfeita ou uma linha solta na costura da cortina. Compreendo-o. Todas estas situações podem ser muito absorventes para qualquer comum mortal. Ou talvez não. Mas acho-lhe graça e tento sempre responder às suas mil inquirições sobre os mais variados temas do quotidiano. Sucede que, de manhã, com o tempo contado, torna-se difícil deixá-lo ser… ele.

Um dia destes, depois de muito o empurrar e chamar para tudo e mais alguma coisa, finalmente conseguimos sair de casa. Sacos no carro, Miguel e o seu ovo idem. Dou a volta para o por na sua cadeira e dou com ele absorto a olhar para o chão.

‘Martim, vamos?’

Silêncio.

‘Martim, está tudo bem?’

Nada.

‘Martim, o que tens, amor?’

Não se mexe.

O meu coração começa a bater descompassado. Viro-o para mim, enquanto continuo a chamar por ele e a perguntar o que se passa repetidamente. Ele? Continua longe no seu próprio mundo.

Chegados a este ponto, já estou francamente preocupada. O que será que aconteceu nos 45 segundos que levei para prender o cinto de segurança do Miguel?! Martim! Martim! Fala com a mamã! Conta à mãe o que tens!

Pego-lhe ao colo, aperto-o muito contra mim, até o chocalho um bocadinho, já não sei o que fazer, estou quase em lágrimas…

Até que ele ‘acorda’, olha para mim e diz-me, com a maior calma do muito e ligeiramente incomodado com o facto de eu estar a perturbar as suas reflexões:

‘Não se passa nada mamã. Eu é que estava muito concentrado.’

Idade? 4 anos. Ataques cardíacos provocados? Perdi a conta, mas nesse dia sei que a minha esperança média de vida ficou um pouco mais curta e afinal… Ele estava só muito concentrado.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *