Parentalidade positiva na blogosfera

Prefiro chamar-lhe consciente, numa óptica de se traçar um plano/propósito e direccionar as nossas acções de parentalidade a ele. Mas vamos lá.

O Gatilho

Sou fã confessa da página Ser super mãe é uma treta. É um banho de maternidade real e quase em directo, porque acompanhar os posts da Susana é como viver com ela (o que quero dizer não é, obviamente, que revela demais, mas que é extremamente impressiva em tudo o que escreve). Sentimos-lhe o desespero, que mais não é do que o nosso em inúmeras ocasiões, enquanto nos divertirmos com isso. Estamos juntas, Susana.

Também sou fã de um outro blog, o Not so fast, onde a Lénia fala do que bem lhe apetece, sempre num tom assertivo, mas dado à reflexão (ou pelo menos é como eu a interpreto), com uma escrita irrepreensível.

Calhou que recentemente estas duas mulheres cujos estilos e conteúdos admiro imensamente, abordaram um tema que me é cada vez mais caro: a parentalidade positiva. E fizeram-no de forma… negativa.

Li a perspectiva da Ser super mãe é uma treta com o maior dos humores. Li a perspectiva do Not so fast quase que rebatendo mentalmente cada ponto (é só clicar nos realces que vão direitinhos para os textos de que falo e valem ambos muito a pena, toca a ler (depois de acabar este, faxavori)).

Sobretudo, li ambas com o respeito que me merecem todas as suas postagens. Estas em particular, deram origem à presente reflexão.

 

Um par de disclaimers

Literalmente um par:

  1. SE a parentalidade positiva traduzisse aquilo de que ambas falam, eu odiaria o conceito tanto quanto qualquer uma das autoras.
  2. É sempre, sempre, sempre, uma questão de perspectiva: a parentalidade é, no fim do dia, o que os pais quiserem fazer com ela e o que funcionar melhor em cada caso. Se for forçado, não é ‘positivo’, mesmo que conceptualmente queiramos aplicar esses princípios.

O que a parentalidade positiva não é

Não é sobre tornarmo-nos pais permissivos.

Não é sobre andarmos às ordens dos nossos filhos.

Não é sobre sentirmos culpa quando, optando de forma consciente por aplicar os princípios da parentalidade positiva, deixamos em situações do dia-a-dia de o fazer (foda-se a culpa, certo Susana?).

Como decorre do disclaimer 2, também não é para todos os pais: é para os que se revêem naquele modelo e se sentem bem com ele (desde logo, posso dizer-vos que é para mim e não é, de todo, para o meu marido – e ESTÁ TUDO BEM, somos ambos, ele e eu, os melhores pais que sabemos ser independentemente dos ‘como’s desta vida!).

O que a parentalidade positiva pretende

Desde logo tem boas intenções e não pretende ser positiva por oposição às ‘outras’, todas negativas (=todas erradas). É positiva por se pretender moldar o comportamento das crianças de dentro para fora, com alternativas que todos os envolvidos considerem aceitáveis aos comportamentos que não queremos que tenham, ao invés de fazê-lo de fora para dentro, isto é, reprimindo/proibindo/corrigindo unilateralmente esses mesmos comportamentos. É positiva porque almeja resultados positivos para todos: maior cooperação voluntária deles para connosco, logo, menos drama e stresse para nós.

Promover a autoestima de pais e filhos:

Isto não pressupõe fazê-los sentir-se ‘donos do pedaço’. Pressupõe que eles se conheçam, se compreendam, se aceitem e consigam ver-se, de forma geral, uma luz positiva, apesar dos seus pontos fracos, vivendo bem com eles ou trabalhando neles, dependendo das prioridades que se estabeleçam.

Onde entram os pais nisto? Numa lógica bastante primitiva de que, querendo ou não, ensinamos pelo exemplo, a melhor maneira de lhes passar a ideia do que é uma autoestima saudável é cultivar a própria – e isso é sempre positivo, independentemente do contexto.

Fomentar o respeito mútuo:

Quando digo mútuo, incluo o deles por nós, naturalmente. É mais ou menos isto: eles têm o direito a fazer a birra e nós temos o direito a ficar de cabelos em pé com ela. O que se procura é que eles aprendam, pouco a pouco, a lidar com o que quer que os tenha empurrado para a birra, reduzindo-as em número e intensidade e que nós aprendamos igualmente a gerir todas as coisas mais ou menos loucas e, essas sim, mais ou menos negativas, que nos passam pela cabeça na fase mais aguda de um desafio desta natureza.

Dar espaço à inteligência emocional:

Crianças que sabem identificar correcta e especificamente o que sentem e o que os outros, designadamente os próprios pais, sentem, que dominam razoavelmente a linguagem não verbal e que são capazes de empatizar, i.e., colocarem-se no lugar do outro, geralmente são mais capazes de exercerem o auto-controlo, de adiarem a recompensa (ou seja, de se manterem num determinado rumo que apenas ao fim de algum tempo poderá dar frutos), de se auto-motivarem e de ‘auto’ uma série de outras coisas que os pais costumam desejar.

Estabelecer limites:

Esta é uma parte importantíssima de qualquer modelo de parentalidade. Ninguém, em sanidade de espírito, conseguiria conceber a parentalidade como um mundo de pequenos imperadores ditando as regras das famílias enquanto os pais, reduzidos ao seu papel de serviçais, se desdobram em 1000 para satisfazer todos os caprichos de suas excelências… pelo menos em teoria.

Há lugar para o ‘não’ na parentalidade positiva? Há! Todo! Há castigos? Há, pois! Podem chamar-lhes ‘consequências’ à vontade, o propósito primordial de admoestar um filho com uma consequência/castigo é o mesmo: que ela se responsabilize pelos seus actos. Apenas se procura que estas consequências tenham um qualquer nexo causal com a infracção desvirtue a sua essência. E não vejo mal algum nisso. Afinal, até os Tribunais vêm reconhecendo os benefícios de aplicar penas acessórias que mostrem aos infractores o mal que as suas acções causaram e os obrigue, activamente, a repará-lo ou a preveni-lo…

***

Não vai funcionar sempre.

Exige prática e congruência (o que é diferente de consistência).

Mas não é uma batalha campal com vencedores de palmo e meio pré-definidos.

Sobretudo, haverá, com certeza, mil outras maneiras de educar com sucesso e em clima de harmonia e (relativa) felicidade.

Uma nota pessoal

Não sou uma pessoa que grita. Com ninguém. Desde que me conheço. Consigo, aliás, ser bastante desagradável, ofensiva e cáustica, mas sempre de uma forma calculada, sem levantar demasiado o tom de voz (não, isto também não é uma coisa boa). Gritar não faz parte do meu estilo, mesmo quando profundamente aborrecida (não que não aconteça ocasionalmente, em situações extremas). Também sou uma pessoa que precisa de controlar o máximo do seu ambiente. O planeamento e a previsibilidade são elementos que me tranquilizam.

E é essencialmente por isso – porque gritar não faz parte de mim enquanto indivíduo e porque o não domínio do que se passa à minha volta me faz mal – que não me reconheço quando, em desespero, grito e ajo por puro impulso com os meus filhos.

É também por isso que acho que, para mim e só para mim, a parentalidade consciente faz sentido e que nada perco em aprender ferramentas que me ajudem a lidar com algo na minha própria maternidade, de que não gosto. É mais por mim, do que por eles. E é uma razão tão boa como outra qualquer.

Em jeito de conclusão, um pedido

Muuuuiiiiito diferente de eu, ou qualquer outra mãe optar, para si e para os seus filhos, por este ou outro modelo, é o fanatismo com que algumas pessoas passam a defender as suas escolhas e a depreciação deliberada que oferecem às mães que escolhem diferentemente.

Isso sim, é transversalmente tóxico e propulsor de más energias. Aliás, alguns dos comentários aos posts que me suscitaram este são bastante ilustrativos do que agora digo: mulheres ditando umas às outras o que «têm que» e o que «não podem» fazer para serem consideradas boas mães e o que as torna dignas de pena, vergonha e, consequentemente, indignas de educar uma criança… Bom, digamos que não há ‘receita’ de parentalidade cuja escolha pressuponha a sua validação às custas dos mínimos olímpicos do bom senso e da sororidade.

Aquilo que eu escolho é, sem dúvida, o melhor PARA MIM. Aquilo que outras mães fazem também é, seguramente, o melhor PARA ELAS. As hipóteses são sempre várias e cumulativas, não se excluem mutuamente.

Por isso, façam o que fizerem: concedam às mães do vosso mundo (ainda que virtual) e às suas opções, o mesmo respeito com que tratam as vossas próprias.

Ninguém gosta de ser constantemente questionado (até quando não tem senão certezas). Para isso, já existem a nossa consciência e as nossas próprias inseguranças, sempre a fazer das suas.

 

Mariana, Maria, Mafalda – A Mafalda

Reparei, sentada no espaço da Mariana (de quem vos falei anteontem aqui) e enquanto apreciava o quanto é extraordinária, que a minha vida tem muito mais M’s do que aqueles com quem vivo. M’s no feminino. Todas me trazem nada mais do que bem-estar e felicidade e não são as mulheres mais evidentes – mãe, irmãs, amigas – que nos vêem à cabeça quando pensamos nisso. Não sei se elas o saberão e, como tal, nesta semana que antecede o Natal, quero agradecer-lhes. Termino este set de histórias com a da Mafalda.

A Mafalda

A Mafalda foi um vendaval na minha vida. Este ano, com 33 anos, finalmente percebi-me, compreendi-me, perdoei-me, sarei as feridas que tinha comigo, segui em frente. A Mafalda ajudou-me a fazê-lo.

Não é preciso conhecer-me há muito tempo para já me ter visto com qualquer peso entre os 60kg e os 86kg. A facilidade com que ganho e perco peso, para o bem e para o mal, sempre me acompanhou. Os meus problemas de imagem e auto-estima, claro está, também. Sempre fui estupidamente bem sucedida com qualquer dieta com que me comprometesse e estupidamente mal sucedida a manter os estrondosos resultados que sempre consegui atingir.

Certo dia o facebook sugeriu-me a Mafalda e eu comecei a segui-la. Muitos de vós provavelmente conhecê-la-ão pelo seu trabalho como actriz em Portugal e com o nome Mafalda Pinto. Hoje a Mafalda adoptou o nome de casada, Rodiles, vive no Rio de Janeiro (que inveja!), é mamã da Mel e, agora, do recém-nascido Martim (também ela vive rodeada de M’s bons) e assumiu publicamente que não é mais actriz. O seu trabalho a tempo inteiro hoje é, justamente, ajudar mulheres como eu, a reencontrarem-se.

Depois de um pequeno workshop online resolvi dar um beijinho sentido ao meu dinheiro e dizer-lhe adeus. Comprei o curso dela ‘Seja feliz sem dietas’. Aqui para nós, e como ela já partilhou algumas vezes com as suas alunas, o curso deveria apenas chamar-se ‘Seja Feliz’. Comprei o curso a pensar que ia aprender sobre mudanças de hábitos alimentares, truques para alcançar o peso pretendido e rotinas para mantê-lo.

Foi tão mais. A Mafalda dá-se ao trabalho de conhecer profundamente cada uma das suas alunas, entender todo o seu background e curar a sua relação com a comida exactamente onde ela começou a correr mal. Exactamente onde começámos a castigar-nos, comendo, a compensar-nos, comendo, a distrair-nos, comendo, a descarregar os males da vida, comendo.

Aprendemos que, por muito que alcancemos aquele nosso ideal de corpo perfeito, nunca estaremos satisfeitos com ele porque o peso nunca foi o problema. Aprendemos a identificar os problemas e a resolvê-los lidando com eles da forma que eles devem ser tratados, em vez de os tapar com comida só para suportar mais um dia.

Acabo o ano uma pessoa muito diferente daquela que o iniciou. Não estou (ainda) no meu peso ideal. Continuo a esforçar-me para o alcançar, mas aprendi a respeitar o ritmo do meu corpo e a arte tão simples de comer quando tenho fome e parar quando estou satisfeita, algures perdida (por mim e por tantas outra mulheres) enquanto cresci.

O curso acabou há meses, mas ainda nos falamos. Gosto de saber dela e ela de mim. Trocamos ideias sobre muitas coisas e o pontapé de saída para o Entre M’s foi também uma das nossas conversas. Apesar de já lhe ter dito muitas vezes o quanto a minha postura perante a vida mudou por causa dela, não podia deixar que este ano terminasse sem assinalar devidamente esse facto.

Mafalda, o teu trabalho muda vidas. Mudou a minha. Sou (final e genuinamente) feliz comigo. Obrigada.

(se quiserem saber mais sobre o programa ‘Seja feliz sem dietas’ podem encontrar toda a informação no site ou entrar em contacto com a Mafalda pelo facebook).

 

Mariana, Maria, Mafalda – A Maria

Reparei, sentada no espaço da Mariana (de quem vos falei ontem aqui) e enquanto apreciava o quanto é extraordinária, que a minha vida tem muito mais M’s do que aqueles com quem vivo. M’s no feminino. Todas me trazem nada mais do que bem-estar e felicidade e não são as mulheres mais evidentes – mãe, irmãs, amigas – que nos vêem à cabeça quando pensamos nisso. Não sei se elas o saberão e, como tal, nesta semana que antecede o Natal, quero agradecer-lhes. Hoje é a vez da Maria.

A Maria.

Quem acompanha o Entre M’s sabe que este post já andava prometido há algum tempo. A Maria não é nenhuma novata no Entre M’s. Já a mencionei aqui e aqui.

Conheci-a quando decidi engravidar do Miguel. Vinha insatisfeita com a actividade física que tinha praticado na gravidez do Martim, muito por medo. Na consulta de planeamento e em resposta às minhas questões sobre exercício na gravidez fui aconselhada a manter o nível de exercício que praticasse há pelo menos três meses antes de engravidar para não ‘chocar’ o corpo.

Decidi, assim, que queria intensificar ao máximo o ritmo para poder, durante a gravidez, mantê-lo.

Comecei à procura de uma PT para me ajudar. Sim, uma. Queria uma mulher. Alguém que não tivesse cerimónias com as desculpas que eu viesse a tentar dar mas que pudesse também, de uma forma instintiva, colocar-se no meu lugar.

Conheci a Maria e a nossa empatia foi quase imediata. Percebi-lhe uma garra que a mim me faltava, uma enorme preocupação em perceber as minhas motivações e em desenhar um plano realista para chegar aos meus igualmente realistas objectivos. Nunca o ‘personal’ de ‘personal trainer’ fez tanto sentido.

Temos trabalhado juntas desde então. Às vezes treinamos juntas também. Ela faz-me ver o lado aventureiro da vida e eu partilho com ela o lado mais filosófico. Tem apenas menos cinco anos do que eu, mas estamos em lugares tão diferentes da vida que eu a vejo como uma super-atleta, super-mulher, suprasumo das suprasumos e ela me vê também como uma super… mamã.

Engravidei em menos tempo do que esperava e durante 38 semanas o Miguel  ‘treinou’ connosco (a prova disso está neste vídeo de mim enorme, no nosso último treino pré-parto). A Maria foi das primeiras pessoas a conhecer da existência do meu MigueLindo e ele tornou-se o seu ‘bebé fit’. Hoje, é também ela que me ajuda a regressar ao meu estado pré-Miguel (e embora a balança mo negue, eu sei e vejo que já o superei). Combinamos bem. Somos ambas ‘zen’. Apesar do nosso contacto ser bastante focado na tarefa que nos uniu, conto com ela como com uma amiga.

Os treinos, apesar de cuidadosamente programados podem ser alterados assim que ela me vê. ‘Hoje não me pareces muito bem, vamos fazer um treino mais leve’. Outras, praticamos pequenas metas – coisas que podem ser tão simples como entrar e sair de uma passadeira em movimento ou saltar para uma box (um pequeno trauma meu), mas que, uma vez conquistadas, me deixam com uma sensação de quase heroísmo muito satisfatória.

Mais importante que tudo isto, creio que nunca poderei agradecer-lhe o suficiente o gosto que plantou em mim pelos treinos. A hora de ir ao ginásio tornou-se terapêutica. A superação é constante e é um lugar que me ajuda a esvaziar a cabeça e a reorganizar as ideias.

O Mundo é um lugar melhor depois de um treino. Por muito que doa no corpo, a alma vem sempre mais leve.

Obrigada Maria, por me ajudares a parecer-me como me sinto e por me tirares as rugas de preocupação que te levo sempre do escritório.

(o facebook da Maria já está mais do que espalhado pelo blog, mas não custa relembrá-lo. Aqui fica novamente.)

Mariana, Maria, Mafalda – A Mariana

Reparei, sentada no espaço da Mariana e enquanto apreciava o quanto é extraordinária, que a minha vida tem muito mais M’s do que aqueles com quem vivo. M’s no feminino. Todas me trazem nada mais do que bem-estar e felicidade e não são as mulheres mais evidentes – mãe, irmãs, amigas – que nos vêem à cabeça quando pensamos nisso. Não sei se elas o saberão e, como tal, nesta semana que antecede o Natal, quero agradecer-lhes.

A Mariana

A Mariana é cabeleireira e maquilhadora e tem um salão na Costa de Caparica.

Quando me casei com o Mário, casei-me também com a Mariana e nunca mais a deixei.

Explico. Quando comecei à procura de tudo o que se procura quando se planeia um casamento – e eu planeei o nosso sozinha – houve algo que sempre soube: quem trataria do meu cabelo e maquilhagem no grande dia.

Não. Eu não conhecia a Mariana, mas uma das minhas melhores e mais antigas amigas é, também, uma amiga comum e o seu próprio casamento foi a montra perfeita para os serviços da Mariana.

Estava decidido antes mesmo de eu ter que decidir.

A Mariana não é só uma profissional admirável. A Mariana é uma mulher admirável. Trabalha por paixão e não foge das dificuldades.

A Mariana também é mãe de um menino maravilhoso. Mas, trabalhando por conta própria, não pôde gozar uma licença de maternidade como as trabalhadoras por conta de outrém.

Descobri que queria escrever sobre ela quando, há uns dias, cheguei na hora marcada e encontrei-a à porta do salão, a despedir-se do filho.

“Vá amor, vai para casa com o papá, a mamã tem que ir trabalhar.”

Nesse momento, a Mariana deixou de ser só ela e diante dos meus olhos vi todas as mães que, como ela, abdicam de tempo precioso com os seus filhos para trabalhar, para construir algo de que se orgulhem também enquanto pessoas.

Às demais não posso oferecer grande consolo, mas à Mariana, que me atende sempre com um sorriso e tem possivelmente o único salão do Mundo com a TV ligada na VH1, renunciando ao flagelo dos programas matinais e pós jornal das 13h, posso agradecer.

Posso dizer-lhe três coisas. 1. És fantástica no que fazes; 2. Não há cliente difícil que não consigas satisfazer; e 3. Tornas sempre o meu dia (e a minha auto-estima) um pouco melhor.

Os teus sacrifícios valem a pena. Obrigada.

(Se quiserem conhecer um pouco mais do que aquelas mãozinhas são capazes – a resposta é ‘tudo’ já agora – podem entrar em contacto com ela através do facebook ou do instagram).