«Porquê?» – O outdoor que vai levar-me ao divórcio

Há sensivelmente dois meses – DOIS MESES – que, a caminho do trabalho, passo pelo mesmo outdoor.

É um de vários que a Câmara Municipal espalhou pela cidade por ocasião do Dia Internacional da Mulher.

A colecção de outdoors tem um layout semelhante: fundos totalmente pretos, uma foto de um rosto de mulher com expressão pesada e um dado estatístico em letras brancas (há vários, é só escolher) que traduz a desigualdade de género. Estão a visualizar?

Boa!

Então, aqui vou eu, depois de largar os meus preciosos M’s na escola, a caminho do trabalho, mais ou menos entretida na minha costumeira enchurrada de pensamentos incontroláveis quando passo por aquele outdoor.

Tentei encontrar uma imagem dele, para perceberem o impacto que uma coisa daquelas pode ter pela manhã, mas não consegui, desculpem, terão que ficar com o meu relato e tentar imaginar.

Resumindo, diz qualquer coisa como:

Mulheres na distribuição das tarefas domésticas:

Mais 1h45 que os homens todos os dias.

PORQUÊ?

Duas coisas muito importantes para apreenderem o meu estado de espírito:

  1. «Todos os dias» deve ser lido assim: TODOS [pausa] os [pausa] dias. E com dicção perfeita!
  2. Aquele «porquê?» em letras garrafais faz eco. De verdade, creiam-me.

Leio «porquê?», mas o meu cérebro regista «PORQUÊ? Porquê…? quê…? ê…? ê…»

Começo a ficar com uma leve urticária.

Digo leve, porque não se compara ao bicho carpinteiro que me ataca quando começo a fazer contas: 1h45 por dia, 12h15 por semana, 49 horas por mês, 588 horas por ano!!!

F*da-se!!!

Eu gasto quase 600 horas a mais do que sua excelência, ‘o princeso’ a cuidar do que é dos dois?!

Inevitavelmente começo a pensar em tudo o que me espera quando chegar a casa: roupa, loiça, fraldas, banhos, jantares, histórias para dormir, ‘arrumar’ o dia seguinte. A imagem de fundo na minha cabeça mostra-me, claro está, o meu marido confortavelmente sentado no sofá. Outras vezes ouço-o também dizer, imaginariamente «deixa isso, vem um pouco para o pé de nós».

Neste ponto, já nem vejo o trânsito. Fervilho e insulto mentalmente o meu marido pelas 600 horas que eu não faço ideia se gasto ou não a mais do que ele em tarefas domésticas.

Chego ao trabalho a pensar em contactos de bons advogados de Direito da Família.

E mais: o próximo que me disser que estou com um ar cansado leva um murro na tromba e uma pilha de roupa para tratar.

Ele não lê o meu blog, mas…

Ele – o M mais crescido, com quem consta que sou casada – não lê o que partilho convosco por aqui (shame on him por não contribuir para o crescimento do blog!).

Em tempos, referi-vos este facto e mais ou menos deixei prometida uma explicação.

Acho que chegou a hora.

Ele não lê o meu blog.

Deixou de o fazer quando o blog era ainda praticamente um recém-nascido, no dia em que escrevi um texto – este – na sequência de um pequeno diferendo que tivemos.

O texto não era (não é) sobre ele. Não era sobre nós. Não era sequer sobre o tal diferendo.

Sucede que enquanto vivo o meu dia-a-dia penso sobre milhares de coisas e tudo o que penso me sugere temas sobre os quais me dá para escrever (ou não).

Foi o caso naquele dia. Era apenas uma reflexão que teve sim, como ponto embrionário de partida, aquele nosso diferendo. O texto era sobre a ideologia e os princípios que eu senti que, de alguma forma, podiam estar na base daquele nosso diferendo, em si mesmo, insignificante e ultrapassado.

Ele não lê o meu blog.

Creio (especulo) que tem medo de ler com o olhar único de quem vive comigo. De quem consegue perceber ‘de onde vêm’ as minhas palavras. De quem não quer sentir-se criticado.

Já lhe expliquei que tudo isto é, essencialmente, sobre mim, sobre as conversas intermináveis que tenho comigo mesma no carro, a caminho de casa, todos os dias, sobre a necessidade que tenho de falar, ‘sem medo de ser feliz’, sem amarras, sem grandes filtros. Falar para dar vazão a essa avalanche constante de reflexões que me invadem e distraem inoportunamente das minhas tarefas a todo o instante. Falar para esvaziar o compartimento do meu cérebro que precisa de se concentrar no que quer que seja.

Foi, todavia, inútil.

Ele não lê o meu blog.

Mas…

No último post partilhei o estado zombie em que me encontrava.

Recebi um feedback fantástico de mães desesperadas como eu (como isso me reconfortou só eu sei… Obrigada).

Quando cheguei a casa na sexta-feira ele disse-me «os meninos dormem fora hoje e nós vamos jantar».

E fomos. E eu dormi a noite toda sem interrupções. E o pequeno-almoço apareceu na minha cama pouco depois de me queixar que estava a ficar com fome. E os ecrãs foram deixados de lado até ao momento em que já não sabíamos mais o que fazer com o próprio ócio e decidimos ver um filme (seguido, imagine-se!).

Ele não lê o meu blog, é verdade.

Mas talvez não precise.

Ele não lê o meu blog porque lê tudo o que tenho dentro.

Sempre. Sem intermediários.

Crónicas de uma mãe privada do justo sono

Introdução minimalista porque hoje não dá para mais

É ao terceiro dia mal dormido que tudo fica mais negro.

É.

Um dia é suportável.

Ao segundo ainda há esperança.

Ao terceiro o cérebro queixa-se. O corpo queixa-se. Tudo se queixa.

A solidão traz melancolia. A companhia traz impaciência e ansiedade.

Manhã

Acordo (ou melhor, levanto-me porque, na verdade, pouco dormi) com uma ligeira dor de cabeça.

Tenho que me controlar para ser a mãe que os meus filhos merecem e conseguirmos atravessar as rotinas matinais e sair de casa sem nos irritarmos uns com os outros parvamente.

Não é nada intuitivo, devo dizer.

Porque ao terceiro dia, o intuitivo é zangar-me com tudo.

Esqueço-me de coisas. Saímos todos de casa com os dentes por lavar. E eu de pantufas nos pés.

Também me esqueço de coisas enquanto as estou a fazer. O leite do pequeno-almoço arrefece porque não me lembro que ainda não o bebi.

O trânsito, a que sou perfeitamente imune em dias ‘normais’, faz-me ‘bufar’ mil vezes de nervoso.

Pus gasolina. Esqueci-me de zerar o conta-quilómetros. Suspiro.

O meu dia mal começou.

Tenho vontade de chorar. Talvez o faça mais tarde. Ou talvez não espere.

Penso em escrever este texto e começo a registar mentalmente tudo o que já me causou mal-estar hoje.

Pensar nisso arrasta-me ainda mais para o fundo.

Tarde

O tempo passa simultaneamente demasiado devagar e demasiado rápido.

Quero voltar para casa, abraçar o marido que me parece o único ponto de conforto e, ao mesmo tempo, o monstro que me apetece culpar por todo o meu cansaço.

Mas há coisas para fazer e preciso de estar concentrada. Como?

Não saio para treinar (tinha-me feito bem).

Não saio para almoçar (tinha-me feito bem).

Lentamente, consigo terminar o que tinha para hoje.

Hora de me arrastar de volta para casa

Fim do dia

Ao terceiro dia tudo fica mais negro.

Preciso de dormir.

Preciso muito de dormir.

Enquanto não posso… Escrever ajuda.

Os M’s beberam demais…

O Marco

O Marco tem 19 anos e acabou de tirar a carta.

O Marco é um filho ‘certinho’ e um aluno exemplar. Entrou em medicina e todos se orgulham do seu percurso.

Apesar de se exigir muito no campo dos estudos, o Marco não abdica dos seus amigos e socializa de forma saudável.

Por isso o Marco saiu numa sexta-feira à noite para um barzinho e aconteceu algo inédito nele. O Marco bebeu demais.

Como nunca o tinha feito, pouco consciente dos efeitos do álcool no seu corpo e discernimento, o Marco achou-se ‘bem para conduzir’.

Não estava. Parado numa operação stop de rotina, acusou um volume de álcool superior a 0,5 g/l.

Foi condenado por crime de condução sob o efeito de álcool e cumpriu uma pequena pena de multa.

Pouco ou nada mudou na sua vida. Todos à sua volta o compreenderam e apoiaram, afinal, o Marco sempre foi bom rapaz e errar é humano,que injustiça seria roubar um futuro a uma mente tão brilhante.

 

A Miriam

A Miriam tem 17 anos e é uma menina que todos consideram rebelde.

Pinta-se demasiado, veste-se pouco, sai com frequência às escondidas dos pais.

A Miriam gosta de beijar na boca e não vê razões para não o fazer sempre que lhe apeteça.

As liberdades da Miriam valeram-lhe fama de ‘fácil’ na escola, que frequenta, de resto, apenas quando bem entende, o que já lhe valeu ter que repetir o ano.

Numa das suas escapadas nocturnas, a Miriam bebeu demais, como acontecia de vez em quando. Afinal YOLO, não é verdade?

Um rapaz ofereceu-lhe boleia para a ajudar a chegar a casa em segurança e ela aceitou, estava tão mal-disposta…

A Miriam foi levada para casa. Mas não para a sua. A Miriam foi levada para casa de um amigo do seu ‘salvador’ e violada pelos dois.

A Miriam queixou-se e ouviu de tudo: Quem manda sair? Quem manda beber? Quem manda vestir saia curta? Quem manda ‘andar com todos’?

A Miriam pôs-se a jeito. A Miriam estava a pedi-las.

A Miriam teve que mudar de escola, teve que mudar de casa, de cidade. Por onde andasse todos a apontavam e comentavam o ‘estado a que tinha chegado’.

 

***

Estas são histórias fictícias, mas não muito.

Em ambas as histórias foram praticados crimes.

O percurso e a personalidade do Marco pesaram como atenuantes no crime de que foi autor e que colocou virtualmente em risco uma série de vidas. Nada mais natural.

O percurso e a personalidade da Miriam pesaram como atenuantes também… mas para os autores do crime de que ela foi a vítima.

Se o Marco tivesse atropelado uma pessoa, alguém se lembraria de perguntar qual era o comportamento habitual dessa pessoa enquanto peão, quantas vezes tinha atravessado a estrada fora da passadeira, se tinha por hábito ofender os condutores que não lhe dessem passagem ou provocá-los simulando atravessar a estrada ou pedindo que ‘passem por cima’? Certamente que não… Porquê? Porque não interessa. Interessará eventualmente se naquela circunstância em concreto atravessou fora da passadeira ou se se atirou para a estrada de uma forma que um outro condutor que não o Marco, diligente e sóbrio, o teria atropelado de qualquer maneira…

A vítima não tem culpa. A vítima não tem que ser santa, não tem que ser boa aluna, boa filha, boa amiga, casta e pura para ser reconhecida como vítima de um crime. O seu carácter e a sua popularidade são irrelevantes para efeitos dos crimes praticados sobre ela, tal com a sua conduta do dia-a-dia ou os juízos de valor que essa conduta nos possa despertar enquanto indivíduos.

No caso da Miriam, ou ela deu consentimento aos dois rapazes ou não deu.

No que respeita especificamente aos crimes sexuais (quase) tudo se reconduz a saber se houve ou não consentimento naquele caso concreto e naquelas circunstâncias específicas.

Só isso importa.

Vamos parar de pôr as mulheres vítimas de crimes sexuais no banco dos réus?

E, já agora, vamos ensinar aos nossos filhos o significado, o valor e a importância do consentimento?

É sexta-feira (só que não)!

O Miguel está viciado no Panda e os Caricas.

Mal diz dez palavras, mas quando está entediado (ou doente) já aponta para o computador ou para o telemóvel e faz um ‘ôh! ôh!’ que não deixa dúvidas.

A propósito da música ‘Sexta-feira (estudei a semana inteira)’ na versão do grupo, o Martim costuma sempre comentar «Mas hoje não é sexta-feira!!!…» (pois, normalmente não é).

Ontem antecipei-me e comentei eu, ao ouvir a música, que não era sexta-feira e que se calhar os caricas tinham mesmo que passar mais tempo na escola, se não sabiam os dias da semana…
Martim concordou com um sorriso semi-trocista.
Então perguntei-lhe ‘Que dia é hoje?’
E ele respondeu: ‘Domingo’
E eu devolvi: ‘E amanhã?’

E ele respondeu: ‘Amanhã… Amanhã é dia de escola’.

Soltei uma gargalhada, mas por dentro fiquei emburrada.

Parece-me que ele também.

Acho que o espírito de segunda-feira nos castigou por troçarmos dos Caricas…

Boa semana minha gente!!!